quarta-feira, 31 de março de 2010

Menino de 12 anos descobriu fóssil de Gliptodonte

Um Glyptodon deve ter sido assim
© P. Riha
Certo dia Mario Vignolo, um garoto de 12 anos do Uruguay saiu para pescar e no caminho descobriu algo mais valioso do que qualquer peixe, um fóssil de Gliptodonte de aproximadamente 30 mil anos de idade. O bicho mede cerca de 1 metro e meio de comprimento e está em bom estado de conservação, tendo sido enviado pela Prefeitura de Soriano ao Museu Alejandro Berro, que fica na cidade de Mercedes. Segundo registros de pesquisadores, a região onde o fóssil foi achado sobre inundações com frequência e tal fenômeno pode ter causado erosão nas rochas expondo o fóssil. O Gliptodonte é um mamífero herbívoro que parece um Tatu gigante, podendo chegar a medir até 3 metros de comprimento e pesar uma tonelada e meia.

quarta-feira, 24 de março de 2010

NOVA ESPECIE DE DINOSSAURO É ACHADO NOS EUA!

Um novo fossil de um herbivoro do jurassico foi encontrado nos EUA.
 Leia a reportagem a seguir.

WASHINGTON (AFP) - O esqueleto parcial fossilizado de uma nova espécie de dinossauro herbívoro - que viveu há 185 milhões de anos - foi descoberto no estado de Utah, nos Estados Unidos, segundo um especialista.
A descoberta do raro esqueleto de 'Seitaad ruessi' nas rochas avermelhadas da região de Navajo, confirma a prevalência da subordem de dinossauros chamada de sauropodomorfos no início do período Jurássico (entre 200 milhões e 144 milhões de anos a.C.), marcado por uma extinção em massa das espécies, explicou o paleontólogo Joseph Sertich, da Universidade Stony Brook de Nova York, um dos autores do estudo que será publicado na edição desta quarta-feira do jornal on-line PLoS ONE.
O espécime, encontrado abaixo de casas de pedras e adobe do antigo povo Anasazi em um local conhecido como Ninho da Águia, conserva boa parte dos ossos, com exceção da cabeça e certas partes do pescoço e do rabo.
O 'Seitaad ruessi', dotado de um pescoço longo, media cerca de um metro de altura e possuía 4,5 metros de comprimento. Estima-se que seu peso variava entre 70 e 90 quilos. Podia caminhar em duas ou em quatro patas.
Ele é um ancestral de outros dinossauros de pescoço e cauda longos como os diplodocos, os apatossauros e os branquiossauros, que andaram pela Terra no período Jurássico tardio.
O nome Seitaad deriva de uma palavra em Navajo que se refere à lenda de um monstro do deserto, enquanto a segunda parte do nome atribuído à criatura homenageia o explorador americano Everett Ruess, que desapareceu nas areias do sul de Utah em 1934, quando tinha apenas 20 anos de idade.
Mamute
     Os Mamutes eram parentes dos atuais elefantes, ou seja, pertencentes ao grupo dos proboscídeos ou elefantídeos, eram coberto de pelos, e existem teorias que dizem que eles foram caçados pelos humanos que moravam nas cavernas. Eles vivia nos frios climas setentrionais da América do Norte e Rússia e se extinguiram há 12 mil anos atrás. Existiam várias espécies de mamutes essa era o Mammuthus trogontherii que deu nome ao grupo, mas também existiam o Mamute Lanudo, o Mamute Imperial que foi o maior de todos os proboscídeos entre outros.
Dados do Mamífero:
Nome: Mamute
Nome Científico: Mammuthus trogontherii
Época: Pleistoceno
Local onde Viveu: América do Norte e norte da Ásia ( Rússia )
Peso: 13 toneladas
Tamanho: 4 metros de altura
Alimentação: Herbívora

Smilodon

Smilodon populator
© Mário Alberto
Smilodon fatalis
© Ian Coleman

Nome científico: Smilodon populator, S. fatalis e S. gracilis (Dentes de faca).
Tamanho: S. populator com 3 metros de comprimento, S. gracilis com 1,20 e S. fatalis, 2,50 metros.
Alimentação: carnívora.
Peso: S. populator cerca 500 Kg; S. fatalis 320 Kg. e S. gracilis com 80 Kg.
Viveu: América do Norte e América do Sul, achados no Brasil e Argentina.
Período: Pleistoceno e Holoceno, os mais antigos datam de 2.5 milhões de anos e o mais recente de 10 mil anos.

Onde o Smilodon viveu?
Clique no mapa e descubra!
Quando ele Viveu? 
A área em vermelho na tabela responde esta pergunta!

O Smilodon não tem parentesco direto com os tigres, como sugere seu nome popular, "Tigre-dentes-de-sabre", pois pertence a uma subfamília de felinos extintos, conhecida como Machairodontinae, da qual não resta nenhum membro vivo atualmente. Todos os animais desta subfamília eram providos de caninos longos. Seu nome vem do grego, Smile faca de trinchar carne + Odontos dentes.
O primeiro fóssil descoberto foi encontrado no Brasil, na cidade de Lagoa Santa - Minas Gerais em 1941, pelo pesquisador dinamarquês Peter Wilhelm Lund (1801-1880).
O dinamarquês vivia no Brasil e pesquisava muito na região de Minas Gerais em busca de fósseis, quando finalmente encontrou em uma caverna o fóssil de Smilodon. Por este e outros achados hoje este homem é considerado o pai da pelontologia no Brasil.
Dentre todos os achados, foi possível definir três espécies diferentes desse felino, espécies que você conhece melhor abaixo.
Smilodon populator : É a maior espécie de Smilodon, podia atingir 3 metros de comprimento, 1,20 metro de altura com massa corporal de até 500 quilos. Viveu na América do Sul, sendo os fósseis encontrados em Minas Gerais, como mencionado antes e em São Paulo, assim como na Argentina. Seus caninos eram muito grandes, mediam em média 15 centímetros de comprimento, mas há fósseis que mediam até 18 centímetros. Viveu no Pleistoceno e Holoceno.


Smilodon populator
© Felipe Alves Elias
Crânio de Smilodon populator
fóssil original na exposição Dinos na Oca em SP
© Jorge Gonçalves de Macedo
Smilodon fatalis : Esta espécie tem duas subespécies de Smilodons, o Smilodon fatalis californicus e o Smilodon fatalis floridana. Esta espécie viveu no Pleistoceno e Holoceno também, porém era menor que o S. populator, chegava a medir 2,50 metros de comprimento e pesava em torno de 320 quilos. Viveu na América do Norte e do Sul.

Smilodon fatalis comparado a um homem
© Dan Reed
Crânio de Smilodon fatalis na Dinos na Oca© Jorge Gonçalves de Macedo
Smilodon gracilis : Esta espécie é a mais antiga, viveu entre 2,5 milhões e 500 mil anos, é também a menor espécie conhecida, pesando em torno de 80 quilos apenas. Media somente 1,20 metros e provavelmente é um ancestral dos demais espécimes de Smilodon.

No tamanho, estes grandes predadores equivalem a leões e tigres, porém seu corpo era bem mais robusto, sua massa muscular era maior, principalmente nas pernas dianteiras e pescoço, deixando o animal com um porte semelhante ao de um urso do que de um felino.
Sua principal característica eram os caninos de aproximadamente 15 centímetros de comprimento, projetados para perfurar e ferir profundamente, quando o animal mordia a vítima.
Essas grandes "armas" não eram projetadas para rasgar carne, eram frágeis demais para tal empreitada, podendo quebrar-se durante uma mordida.
Sendo assim, este animal devia utilizar os caninos para perfurar veias do pescoço, como a jugular ou para perfurar a traqueia, aproveitando-se de sua capacidade de abrir a mandíbula em um ângulo de 120 graus, enquanto a abertura de mandíbula dos leões, por exemplo, chega a 65 graus.
Porém se comparada a mordida do Smilodon com de outros felinos de dentes de sabre, é mais fraca, talvez porque o Arco Zigomático desses carnívoros era menor que o dos felinos atuais. Este arco é um osso do rosto por qual passam músculos que ajudam a mover a mandíbula. Sendo menor, o osso não permitia que os músculos crescessem tanto e com isso a mordida seria mais fraca, calculada em aproximadamente um terço da força de uma dentada de um leão.
Então se analisarmos as forças de mordida de vários felinos dentes de sabre, parece que quanto maior os dentes caninos do felino, mais fraca é sua mordida.
O Smilodon desenvolveu pernas mais curtas, porém mais fortes e musculosas do que outros felinos, contendo nas patas dianteiras fortes músculos flexores e extensores, que permitiam ao animal segurar com força presas de grande porte.
Já as pernas traseiras eram dotadas de músculos adutores que ajudam a dar estabilidade ao perseguir uma presa. Como os demais felinos, o Smilodon devia ter garras retrateis.
O comportamento social desses felinos é desconhecido, mas os achados feitos em La Brea Tar Pits, na Califórnia, continham centenas de fósseis da espécie S. fatalis, o que pode sugerir que usavam o comportamento de ataque em bando, aproveitando para comer restos de animais mortos nas armadilhas naturais de piche, ou mesmo atacar animais vivos que ali ficavam presos ao tentar beber água. Uma sugestão é que eram atraídos pelos ruídos dos animais, que provavelmente gritavam ao tentar desatolar-se, uma característica de predadores sociais, que vivem em bandos, afirma Chris Carbone, da Sociedade de Zoologia de Londres, o qual fez pesquisas no Serengueti na África e constatou que somente carnívoros que caçam em bando acabam sendo atraídos por sons de animais presos ou machucados, tocados pelo pesquisador.
Talvez o "Dentes de Sabre" vivesse em bandos, caçando e levando a presa até o bando, e dividindo a comida. Além disso, alguns fósseis apresentavam sinais de doenças e ferimentos, mas que não mataram, ou seja, acabaram se curando. Para que um animal pudesse sobreviver machucado teria que comer presas de outros, pois não teria capacidade de caçar. Podemos supor que os mais fortes caçavam e os restos eram devorados pelos fracos e doentes. Seus dentes caninos ajudavam a afugentar possíveis competidores pela comida. Os machos e fêmeas eram do mesmo tamanho e ambos tinham presas.
Dentre as presas do Smilodon estavam ancestrais dos camelos atuais, cavalos, preguiças gigantes, cervos, mamutes, mastodontes e bisões.
Grandes felinos atuais costumam matar a vítima por estrangulamento, uma empreitada que leva vários minutos, no entanto os Smilodons não deviam fazer isso porque sua mordida não era tão forte.
Pesquisadores acham mais provável que estes animais usassem sua grande massa corporal, jogando seu peso e agarrando a vítima com força com as patas da frente, até derrubá-la no solo, onde poderia mais facilmente atacar sua jugular, cortando a veia ou atingindo a traqueia com os longos caninos, um método rápido, que não precisaria que o felino permanecesse mordendo a vítima por longos minutos. Outra possível arma do Smilodon pode ser sua pelagem, não se sabe exatamente a cor de seus pêlos, mas geralmente predadores deste tipo desenvolvem um padrão de camuflagem, que dá a eles o "elemento surpresa", que pode ser decisivo em um ataque. Segundo os líderes deste estudo, esta técnica pode ter tornado o Smilodon o felino mais eficaz em caçadas, principalmente de grandes presas, se comparado aos leões e tigres atuais. Mas tudo tem dois lados, assim é a técnica de caça do Smilodon, que acabaria ficando dependente do "suprimento" de grandes animais para sobreviver. Isto pode ter contribuído para sua extinção, já que com grandes caninos ficaria mais difícil de capturar presas pequenas e rápidas, que se desenvolviam em um ambiente em estada de mudança.
Em 2008, pesquisadores fizeram um novo estudo e afirmaram que o Smilodon realmente não tem nenhuma característica de caçador solitário, mas sim de caçador social, atacando em bandos como leões. Pensam também que as suas presas longas serviam mais para comportamento social e exibição sexual, para atrair parceiros, do que para caçar.
Estes felinos sumiram da face da terra por volta de 10.000 (dez mil) anos atrás, quando os humanos começavam a evoluir e tomar espaço, sugerindo que os mesmo podem ter ajudado a extinguir essa e outras espécies caçando. Porém alguns afirmam que o fim da era do gelo pode ter alterado radicalmente o clima e a vegetação afetando herbívoros e consequentemente os carnívoros como Smilodon, que acabaram extintos. Porém não faz muito sentido se levarmos em conta que esse animal e seus ancestrais, sobreviveram a mudanças de clima de eras interglaciais.
O Smilodon é um animal relativamente popular, conhecido mundialmente como o "Tigre-dentes-de-Sabre", por isso aparece em vários desenhos, séries e filmes. Uma série de filmes recentes em que o "gatão" é retratado é a animação A Era do Gelo, no qual é o personagem Diego. Também já filmaram um filme chamado Sabretooth (Dentes de Sabre), além de ser mostrado em documentários como Walking with Beasts da BBC e Prehistoric Park, onde Nigel Marven volta no tempo e resgata o animal para livrá-lo da extinção.

Smilodon populator de Walking with Beasts
© 
BBC

Inclusive uma curiosidade interessante, é que o episódio onde retratam a vida dos "Tigres-dentes-de-Sabre" no documentário Walking with Beasts da BBC, foi filmado no Brasil, na Chapada dos Veadeiros - Goiás. Confira as fotos da paisagem usada nas gravações. As fotos foram tiradas por Wilker de Almeida, irmão de um amigo, durante viagem na região. Compare a 1º foto da chapada com a foto de uma cena do documentário.
Chapada dos Veadeiros - Goiás
© Wilker de AlmeidaChapada dos Veadeiros - Goiás
© Wilker de AlmeidaChapada dos Veadeiros - Goiás - Cena de Walking with Beasts
A ave Phorusrhacos observa mamíferos pastando

Também aparece na série de TV inglesa, Primeval, onde anomalias no tempo formam portais que permitem que animais do passado ou futuro viagem pelos portais. Em um episódio um destes grandes felinos acaba sendo trazido ao presente e a confusão gearada por ataques se torna um caos.
Também foi escolhido como mascote e símbolo do time de hockey Nashville Predators, da cidade de Nashville, onde foi encontrado um de seus fósseis durante a construção de um banco.

Fontes:
Wikipedia

Carnivora Forum


Bichos, Os. São Paulo: Abril, 1972.

MENDES, Josué Camargo. Paleontologia Geral. 2. ed. Rio de Janeiro: Livros Téc. Científicos, 1982.

Prehistoric Cats and Prehistoric Cat-like Creatures. Disponível em:
http://www.messybeast.com/cat-prehistory.htm. Acesso em dezembro de 2006.

RICHARDSON, Hazel. Dinosaurs and Prehistoric LifeLondon: Dorling Kindersley, 2003


Leia mais: http://ikessauro.blogspot.com/search/label/Mam%C3%ADferos#ixzz0j6pfe90i

terça-feira, 23 de março de 2010


Linheraptor exquisitus: um novo dromaeossaurídeo chinês


Reconstrução do Linheraptor
© PA
Hoje é um daqueles dias em que "dinomaníacos" ao redor do  Brasil e mundo ficam empolgados, pois foi anunciada a descoberta de um novo dinossauro, predador, do grupo dos raptores. Sem dúvida o grupo de dinossauros que mais tem fãs é o dos Terópodes e quando um novo é encontrado atrai muita atenção. Este novo animal foi encontrado na Mongólia Interior, uma região da China e é muito parecido com oVelociraptor. Veja mais sobre o novo dino no resto da postagem.



Foi em 2008 que encontraram este fóssil, quando Michael Pittman, da University College London, e seu colega estadunidense Jonah Choiniere, da Universidade George Washington, estavam na China em buscas de restos de animais na Formação Wulansuhai.
Uma única garra da mão aparecendo em uma rocha indicou que ali havia algo interessante, mas eles ficaram muito surpresos ao perceber que além daquela garra, o enorme bloco de pedra mantinha em seu interior um esqueleto articulado, praticamente completo.
O fóssil verdadeiro do Linheraptor
© Zootaxa
O animal desenterrado com a ajuda do Dr. Xu Xing, do Instituto de Paleontologia de Vertebrados e Paleoantropologia da China, mede 2,5 metros de comprimento e deve ter pesado por volta de 25 quilos em vida e é com certeza um dromaeossaurídeo, parente do Velociraptor. Segundo os pesquisadores ele deveria ser bem semelhante ao seu primo já mencionado e viveu durante o Cretáceo, caçando pequenosceratopsídeos como o Protoceratops naquela região, usando todas as suas armas, inclusive as garras em forma de foice localizadas nos pés.
Ele deve ter sido ágil, astuto e coberto de penugem, assim como outros raptores encontrados na região e seu fóssil está tão bem preservado que permitirá uma melhor compreensão do grupo dos dromaeossauros como um todo, pois pode-se ver neste animal características difíceis de perceber em esqueletos não tão completos de outras espécies.
Ele pode ajudar a compreender a evolução dos dinossauros com "garra terrível" e ainda talvez, suponho, das aves, pois seu parentesco com este grupo animal é muito forte. Ele é pouca coisa mais primitivo que o Velociraptor, possui as "garras terríveis" menores, mas ainda sim é bem evoluído. Acredita-se que seu parente mais próximo seja outro raptor descoberto há pouco tempo chamado Tsaagan mangas. Uma diferença notável é que sua fenestra anterorbital, aquele "buraco" nas laterais do crânio que ficam na frente da abertura do olho, é dividida em duas, uma fenestra maior e em seguida uma menor, pouco antes da abertura nasal. Normalmente esta fenestra é inteira e não dividida em duas partes, o que pode indicar que este animal pertence a um novo tipo de raptores com fenestra dividida.
Observe na foto a seguir: há o grande buraco, que é a órbita ocular, seguido da fenestra anterorbital à sua direita, mas esta tem uma "divisória" de osso que forma um terceiro buraco pequeno.
Crânio do Linheraptor
© PA
Não se sabe como morreu este dinossauro, porém pode ter sido soterrado em areia disse um dos descobridores. O fóssil estava em um bloco de arenito vermelho, que é rocha formada por areia e por isso os pesquisadores imaginaram que o animal pode ter sido soterrado repentinamente, por isso seus restos estão muito bem preservados.
O artigo sobre o novo animal foi publicado na revista especializada Zootaxa e pode ser acessado via internet em forma de PDF. Clique aqui para ver o artigo publicado no Zootaxa.
Reconstrução do Linheraptor© Matt von Rooijen

Se você consegue entender bem o idioma inglês sugiro que veja o seguinte vídeo, em que um dos pesquisadores, Michael Pittman, nos fala sobre o novo dinossauro e suas peculiaridades. O áudio e as legendas estão ambos em inglês.

sexta-feira, 19 de março de 2010

Dinossauros anões: estudo explica porque alguns são assim

Comparação: a esquerda Zalmoxes e à direita o Magyarosaurus
Em vermelho as espécies da ilha e em cinza as do continente
© Simon Powell/ Bristol University

Sempre que falamos em dinossauros a maioria das pessoas lembra dos répteis gigantescos que um dia habitaram a Terra, mas geralmente não para para pensar que eles eram apenas animais, como qualquer outro que existe atualmente e estavam sujeitos à doenças, parasitas, fome, sede, necessidade de habitat adequado entre outras coisas e isso força os animais em geral a adaptar-se para evitar a extinção da espécie. Alguns dinossauros fizeram isto, adaptaram-se à vida em ilhas, tornando-se menores. Veja como os paleontólogos explicam isto a seguir.

Durante o Cretáceo, entre 70 e 65 milhões de anos atrás, a Europa estava em boa parte coberta pelo oceano e no meio do continente havia um arquipélago de ilhas que hoje corresponde à Romênia, sendo que tais ilhas eram habitadas por diversos animais. Entre os bichos que viveram lá, estavam dinossauros, que estranhamente são bem menores que os animais do continente. Saurópodes do grupo dos Titanossauros na maior parte são grandes, mas uma espécie em particular, o Magyarosaurus, que viveu naquelas ilhas, era pequeno, menor que 10 metros.

Os pesquisadores chamam o local de Ilha Hateg e estimam que sua extensão era de 80 mil km², que hoje fornece diversos fósseis, entre dinossauros, aves, Mamíferos, anfíbios e outros animais. O estudo foi feito por Mike Benton, da Universidade de Bristol, em conjunto com uma equipe de pesquisadores da Romênia e de outros países.
Mas eles não são os primeiros a falar em dinossauros anões, pois o Barão Franz Nopcsa tinha propriedades na região e escavava fósseis, comparando-os aos de animais do continente, o que o levou a perceber que os animais eram praticamente iguais, ou talvez pelo menos muito semelhantes, porém os animais das ilhas eram muito menores, com metade do tamanho dos continentais.

Benton e sua equipe analisaram o Magyarosaurus e dois Ornitópodes, o Telmatosaurus e o Zalmoxes e perceberam que todos são anões se comparados aos exemplares correspondentes encontrados no continente. Mas você poderia imaginar que os fósseis são pequenos porque pertenciam a animais jovens, que morreram ainda filhotes. Os cientistas pensaram nesta possibilidade e providenciaram testes dos ossos e comprovaram que são mesmo animais adultos, totalmente desenvolvidos.
Como aquele local era uma ilha, os animais estavam isolados do resto do mundo em um pequeno espaço e segundo os paleontólogos, animais grandes só tem dois caminhos a seguir quando confinados em um local pequeno: a extinção da espécie ou a adaptação.
Pelo visto estes animais conseguiram adaptar-se, e a estratégia que a natureza seguiu foi diminuir seu tamanho. Foi uma seleção natural, pois os animais pequenos comem menos e precisam de menor território para viver, ou seja, a natureza fez com que os animais menores sobrevivessem porque a comida ali disponível era suficiente para estes, enquanto que os animais maiores da mesma espécie iam morrendo porque precisavam de maior quantia de alimento. Quanto mais animais pequenos sobreviviam, mais descendentes pequenos nasciam e isso com o decorrer de um longo tempo transformou os animais da ilha em miniaturas dos animais do continente.
Como os animais acabaram presos na ilha ainda é um mistério, mas pode ser que ficaram isolados com uma subida repentina do nível do mar ou se alguns acabaram nadando até lá, podendo talvez terem sido arrastados pela correnteza.
Esta notícia até me lembra do documentário do Discovery Channel, Dino Planet, cujo episódio intitulado "A Viagem de Pod" é focado em uma viagem de um Pyroraptor, que acidentalmente é carregado para a ilha e ali encontra os incomuns dinossauros anões. Vale a pena assistir, recomendo.

Novo dino é o primeiro Ornitomimossauro da Europa

O novo dino europeu deve ser primo do Gallimimus da foto abaixo© Andrey Atuchin
O animal ainda nem tem nome ou descrição detalhada, mas segundo Octávio Mateus, do Museu de Lourinhã em Portugal, o fóssil encontrado na Bulgária é sim de um dinossauro avestruz, ou seja, um terópode onívoro.
O primeiro osso a que Octávio teve acesso, com apenas 10 centímetros, foi entregue ao Museu da Lourinhã em 2005 por um estudante de mestrado búlgaro, que buscava talvez uma descrição detalhada do que acreditavam ser um animal marinho. O osso era na verdade do terópode, com características evidentes disso, como o fato de o osso ser oco e ter marcas específicas de um osso do braço encontrado em dinossauros carnívoros.
Além deste grupo de dinossauros, só Aves, Pterossauros e Mamíferos tem ossos ocos e como não era obviamente um mamífero nem um pterossauro ou ave, só poderiam pertencer a um dino.
Segundo Mateus, o animal viveu no Cretáceo Superior da Europa e é um achado importante pois trata-se do primeiro registro mais concreto de um ornitomimossauro na Europa. O fóssil  se localiza no Museu de História Natural da Bulgária e foi datado pelo paleontólogo português como sendo de 65 milhões de anos atrás, data próxima da extinção dos dinossauros

Crânios de saurópodes foram descobertos na América do Norte

Um Abydosaurus se alimenta de conífera
© Michael Skrepnick
Quando se encontra um esqueleto fóssil de saurópode os paleontólogos desejam que esteja bem completo, mas com certeza a parte que mais é procurada é o crânio, pois a cabeça do animal fornece informações sobre alimentação, respiração, visão entre outras características do bicho. Um novo saurópode descoberto em Utah - Estados Unidos, foi nomeado como Abydosaurus mcintoshi e surpreendeu os cientistas porque os vários esqueletos achados preservaram os crânios inteiros!

Os dinossauros foram encontrados perto do rio Green e por isso foram nomeados como Abydosaurus, pois segundo conta uma lenda, no Egito há um local chamado pelo termo grego Abydos, uma espécie de cidade nas margens do rio Nilo. Ali estaria enterrada a cabeça e o pescoço de um deus egípcio, o deus a vida, morte e fertilidade. Como perto do rio Green estavam enterradas as cabeças dos Saurópodes, o nome escolhido se teve na lenda comparando com o achado.
O nome de espécie, mcintoshi, é uma homenagem ao paleontólogo Jack McIntoshi que elaborou diversos estudos sobre saurópodes, incluindo o esclarecimento de que o Brontossauro era na verdade um Apatossauro com cabeça de Camarassauro.

Segundo Brooks Britt, da Universidade Brigham Young, crânios de Saurópodes são raros porque são pequenos e finos se comparados aos de outros dinossauros e ficam em um pescoço fino, além de que os ossos finos são ligados por tecido mole, que se decompõe quando o animal morre, fazendo o crânio desmontar-se. De aproximadamente 120 espécies de saurópodes conhecidas, somente umas 8 apresentam fósseis de crânios completos, sem faltar nada.

Os esqueletos encontrados datam de 105 milhões de anos atrás e são de 4 animais jovens, que serão descritos oficialmente em um artigo para o periódico Naturwissenshaften. Os fósseis ou pelo menos parte destes, está em exibição temporária no Museu de Paleontologia da universidade, em Provo - Utah.
Este dinossauro é um parente próximo do Braquiossauro, que é um dos mais famosos dinossauros do grupo e provavelmente tinha um corpo parecido, com o pescoço mais alto e cauda mais curta.
© Michael Skrepnick

A maioria dos dinossauros de pescoço longo é conhecida somente do pescoço para baixo, mas o crânio é importante porque permite saber como comiam e o que comiam. Segundo análises sobre o Abidossauro, eles arrancavam a comida, plantas, e engoliam tudo sem mastigar, deixando a tarefa de triturar o alimento e digerir este para os órgãos internos.
Brooks Britt e um dos crânios© Universidade Brigham Young
Eles não tinham um crânio e mandíbula adaptados para mastigação e só podiam usar os dentes para arrancar folhas e ramos das árvores, ao contrário de outros dinossauros, como os Ornitópodes, que conseguiam mastigar relativamente bem.
Crânio do Abydosaurus© National Park Service/AP
De acordo com pesquisas os saurópodes trocavam os dentes  muitas vezes, quase que constantemente e os que viveram no Jurássico apresentam muitos tipos diferentes de dentes, mas os seus sucessores, que apareceram no Cretáceo tinham dentes mais finos. Os do Abidossauro mostram uma transição de dentes mais robustos para menores e com substituição mais frequente.

Um terço dos dinossauros que conhecemos nunca existiu dizem paleontologistas

T.rex juvenil: observe o crânio mais fino e alongado
© National Geographic
Muitos dinossauros podem estar face à face com um novo tipo de extinção - uma controversa teoria sugere que muitos deles, cerca de um terço de todos as espécies de dinossauros, nunca existiu realmente. Acreditam nisso alguns paleontologistas porque, segundo suas pesquisas, os filhotes e jovens dinossauros não era uma versão "mini-mim" dos adultos, como se fosse uma cópia exata. E não é qualquer pessoa que está dizendo isso não, pois são de feras da paleontologia, como Mark Goodwin da Universidade da Califórnia - Berkeley e o famoso Jack Horner, da Universidade de Montana. Veja o artigo completo sobre esta teoria expandindo a postagem.


Ao contrário dos pássaros e outros animais vivos, os jovens passavam por mudanças físicas dramáticas ao chegar à vida adulta.Isso significa que muitos fósseis de jovens dinossauros, incluindo parentes do Tiranossauro rex, foram incorretamente identificados como espécies únicas, estão argumentando os pesquisadores.
O esbelto e gracioso Nanotyrannus é um forte exemplo. Imaginou-se ser um primo menor do T.rex, uma suposta espécie que agora é considerada por muitos experts no assunto, como um T.rex juvenil que teve o fóssil identificado de forma errada.
Os supostos fósseis do Nanotirano tem a aparência de um T.rex adolescente, disse Horner em um novo documentário. Acredito nisso porque o crânio do T.rex mudava dramaticamente quando crescia, disse ele.

O crânio transformava-se de uma forma alongada para o mais familiar crânio curto e robusto, com mandíbulas capazes de pegar grandes quantidades de comida. Compare a imagem do T.rex jovem no início da postagem com um adulto abaixo e verá a diferença.
Tyrannosaurus rex adulto: observe o crânio robusto
© Fabio Pastori
Mas a peça chave desta questão surgiu com a descoberta de um dinossauro com tamanho menor do que o de um T.rex adulto e maior do que o Nanotirano.
Nanotirano - realmente um jovem T.rex na visão de Horner - tinha 17 dentes na mandíbula inferior, e um T.rex adulto tinha 12 ao todo.
O dinossauro de tamanho estimado entre o do Nanotirano e o do T.rex, tinha também 14 dentes na mandíbula, sugerindo que também era um jovem T.rex e que Tiranossauros gradualmente trocam dentes menores em forma de lâmina da juventude, por dentes maiores, mais fortes e robustos próprios para quebrar ossos, característica marcante dos adultos.

Os paleontologistas também reuniram uma grande coleção de fósseis de Triceratops, os quais morreram em diversos estágios da vida, encontrados na área leste da Formação Hell Creek, no estado de Montana - EUA, formações com idade datada do Cretáceo, com fósseis variando de cerca de 145.5 a 65.5 milhões de anos.
Os crânios destes dinossauros, os quais variavam de tamanho, desde os pequenos do tamanho de um prato até os grandes do tamanho de uma pessoa, vieram de uma grande diversidade de animais.Quando os paleontologistas estudaram os crânios, eles descobriram que os pequenos chifres destes animais jovens mudavam quando eles ficavam mais velhos: chifres dos jovens eram curvados apontando para trás, enquanto os de adultos apontavam para frente.

O escudo ou gola óssea encontrada no pescoço também mudava - os ossos em forma de espinho triangulares que rodeavam a gola de jovens tornavam-se mais chatos e longos, formando uma espécie de escudo ósseo em forma de abanador.
"Nestes 10 anos de projeto nós fomos capazes de coletar uma boa série de dados sobre crescimento que ninguém já tinha visto antes, e vemos que essas transformações ocorrem," disse Goodwin.
"Nós podemos documentar as extremas mudanças que ocorrem durante o crescimento, como a direção que os chifres apontam."


Três mil pegadasde dinossauros foram encontradas na China

Alguns pesquisadores fizeram uma importante descoberta para a paleontologia, encontrando uma trilha de pegadas de dinossauros de grupos diversos, incluindo predadores e presas em uma vala de uma encosta de rochas com cerca de 2,6 mil metros quadrados. Para saber mais sobre o achado, é só não deixar de ler o resto da dino-notícia!

De acordo com os cientistas chineses, todas as pegadas apontam um mesmo caminho, como se os animais migrassem em bandos ou como se fugissem todos juntos de um predador. Ao todo, foram identificadas pegadas de dinossauros de 6 grupos diferentes, incluindo Hadrossauros, Terópodes entre outros. As marcas tem tamanhos variados, entre 10 e 80 centímetros de diâmetro dependendo da espécie e teriam de mais de 100 milhões de anos. Foi na província de Shandong, leste da China, que encontraram a vala com as pegadas.
Durante 3 meses de muito trabalho os paleontólogos examinaram as pegadas e escavaram o sítio, que é muito produtivo quando se trata de fósseis de dinossauros. Outro local na China privilegiado é a área de Zhucheng, que de tantos fósseis encontrados ali, ganhou o apelido de "Cidade dos Dinossauros"

A cobra que comia dinossauros

Reconstrução da cena em forma de diorama© Tyller Keillor/Ximena Erickson
Imagine encontrar uma cena fossilizada, preservada por 67 milhões de anos, retratando um comportamento animal. Isso é raro, mas já ocorreu, como por exemplo os dinos lutadores, Velociraptor e Protoceratops, agarrados em uma batalha mortal. Um outro achado de 1987 também mostra uma cena mais ou menos parecida. Só que só em 2001 paleontólogos conseguiram identificar o fóssil a fundo e perceberam o que era: uma cobra matando um dinossauro!

Os restos mortais de ambos foram encontrados na Índia, em  um ninho de dinossauros saurópodes, do grupo dos Titanossauros, contendo cascas de ovos e o esqueleto da cobra enrolado em restos de um pequeno filhote de dinossauro.
Em um artigo publicado no site Plos One, os pesquisadores afirmam que é a primeira evidência fóssil concreta dos hábitos alimentares de uma cobra fóssil. O réptil foi nomeado como Sanajeh indicus, a partir do idioma sâncrito e o significado é um pouco confuso para mim. Acredito que a tradução do sâncrito para o inglês e deste para o português pode comprometer o significado original, mas o  nome quer dizer algo como "Antiga boca aberta da Índia".
Com 3,5 metros de comprimento, o animal encontrado enrolado em um filhote de titanossauro, parece ter comido pequenos dinossauros, que na idade adulta pesavam muito e chegavam a medidas titânicas, como já indica o nome dos animais.
O Dr. Dhananjay Mohabey do Geological Survey da India, que descobriu o fóssil, disse que "é excitante descobrir um momento tão impressionante como esse congelado no tempo"! O achado foi feito em 1987, mas só em 2001 especialistas da Universidade de Michigan e da Universidade de Toronto Mississaugua estudaram e identificaram o achado.

As cobras modernas tem mandíbulas adaptadas para deslocar-se, separando-se do resto do crânio para permitir a passagem de presas maiores que a boca, o que unido com uma pele elástica é uma prova da perfeita engenharia da natureza. Mas essa cobra que comia dinossauros era diferente, possuía mandíbulas como as de outros animais, imóveis, o que prova que não comia os ovos inteiros como fazem algumas serpente de hoje. Isso seria incômodo e inviável, exigiria um esforço grande para tentar engolir um ovo maior que a boca, por isso a cobra esperava o filhote sair do ovo e o comia, pois com seu pequeno tamanho e corpo relativamente flexível, passavam tranqüilamente pela garganta da serpente.
Parte do fóssil da cobra e alguns ovos
© Wilson et al.

Os pesquisadores agora acreditam que a cobra estava atacando um filhote que havia acabado de eclodir. O evento foi então foi submetido a um desastre natural, possivelmente uma tempestade, ou desabamento de terra e a cena inteira foi preservada por milhões de anos.

Leia mais: http://ikessauro.blogspot.com/2010/03/cobra-que-comia-dinossauros.html#ixzz0ieNdKA6P

quinta-feira, 18 de março de 2010

Louca Escapada

© Universal Pictures
Esta postagem foge da rotina aqui no Blog Dinos o Retorno!, porque geralmente não costumo postar Fanfics de visitantes do blog, nem de minha própria autoria, mas vou abrir uma exceção para variar o conteúdo pelo menos hoje. Este texto, de título "Louca Escapada", não é de minha criação, mas enviada a mim via e-mail por Murillo Francisco. Todo o texto, incluindo título e conteúdo são de responsabilidade dele e não minha. Esta Fanfic é baseada no filme The Lost World: Jurassic Park.

O texto a seguir é de responsabilidade integral de Murillo Francisco, não modifiquei o texto em nenhum trecho. Espero que aproveitem.

LOUCA ESCAPADA
Mike corria pela selva a toda velocidade que suas pernas aguentavam. Não fazia nem uma hora que seu grupo havia escapado do ataque dos tiranossauros, deixando para traz várias vitimas, e já estavam sendo alvos de um novo ataque. Velociraptores, bem menores em relação aos tiranossauros, porem, muito mais numerosos e ágeis. Conforme se distanciava, os gritos agonizantes de seus companheiros iam ficando cada vez mais distantes, junto com os rosnados dos terríveis monstros que os atacavam. Mike era um renomado veterinário, especializados em animais exóticos e membro da equipe comandada por Roland Tembo. Tembo era um famoso caçador que já havia abatido todos os grandes predadores deste mundo, porem nem imaginava a espécie de predador que o aguardava nesta ilha. Quando Roland fez uma proposta a Mike a respeito de uma expedição a uma ilha ao redor da Costa Rica onde iriam capturar animais nunca vistos antes para um zoológico em San Diego, a proposta, e o pagamento oferecidos lhe pareceram simplesmente irresistíveis. Agora, um mês depois de ser contatado por Tembo, Mike daria qualquer coisa para sair daquela maldita ilha. Fazia apenas quinze minutos que o seu grupo havia sido atacado pelos raptores, mas para Mike pareciam ser quinze horas. No momento do ataque, Mike havia se abaixado para pegar uma barra de cereal dentro da mochila, tudo acontecendo muito rápido, só teve tempo para uma única reação instintiva, deitou-se no chão no momento em que ouviu o primeiro rosnado, seguido por um grito horripilante, ficando parado deitado no chão, petrificado de medo, esperando que algum raptor o descobrisse e cravasse as garras em suas costas.

A poucos metros de distancia de onde estava, seu carregador, Carlos, um costa riquenho de um metro e oitenta, gritava a plenos pulmões, enquanto tentava lutar desesperadamente contra o velociraptor que devorava seus intestinos espalhados pelo mato. Então, seu instinto de sobrevivência falou mais alto e Mike começou a rastejar para longe da matança, parando algumas vezes quando ouvia um rosnado mais próximo. A única explicação que encontrava por continuar vivo a cada minuto, era de que o numero de raptores era pouco, comparado ao contingente do grupo, e que o banquete era mais do que suficiente no local. Foi rastejando ate tomar coragem de se levantar e espiar por cima da grama alta, vendo a certa distancia varias caudas compridas se agitando no ar, de vez enquanto uma cabeça de lagarto aparecia, e espiava por todos os lados com movimentos rápidos, muito parecidos com os movimentos de um pássaro. Quando uma cabeça abaixava, outra em algum ponto aleatório do mato se levanta, como se estivessem sincronizados.

Mike continuou correndo meio abaixado, e então percebeu que os rosnados estavam ficando mais próximos, e o grito dos companheiros agonizantes, iam sumindo. Continuou correndo cada vez mais rápido, e entrou na floresta que margeava o matagal. O súbito silencio ao entrar na floresta foi assustador e Mike diminuiu a corrida, ate se tornar uma caminhada apressada. Tudo o que ouvia era o som dos seus pés pisando na mata, conforme adentrava na floresta, esta se tornava mais escura, e o seu medo aumentava. Finalmente não agüentando mais de canseira, parou para tomar fôlego. E percebeu que o único som que se ouvia era de seu coração, martelando alucinadamente em seu peito, sua cabeça doía devido ao esforço. Procurava lembrar-se do mapa que havia visto de relance durante uma das paradas do grupo naquela tarde. Lembrava-se que havia visto no mapa alguma instalação logo após uma área livre do mapa, que deveria representar o matagal, porém não se lembrava em qual direção ficava a instalação, e na verdade, nem tinha mais certeza de sua própria localização, acreditava ter corrido em direção ao oeste, mas não tinha certeza de mais nada, e o medo ainda era grande e nublava seus pensamentos. Continuou andando ate que parou de repente, percebendo que havia escolhido a direção errada. Ele havia entrado em uma pequena clareira, e era nesta clareira onde os Velociraptores haviam feito seus ninhos. Por sorte, não havia nenhum dinossauro no local, somente dezenas de ovos agrupados em vários ninhos. Percebendo o perigo que corria, Mike disparou pela mata novamente, e como se os raptores tivessem sido avisados que um intruso havia descoberto seus ninhos, começaram a persegui-lo. Correndo alucinadamente, Mike olhou para traz e viu um animal de mais ou menos um metro e meio de altura e uns dois de comprimento vindo a uma velocidade incrível atrás dele. Mike só teve tempo de agarrar-se ao galho da árvore mais próxima, bem no instante em que o velociraptor dava o bote. O raptor deu um pulo a uma distancia de três metros de Mike no instante em que ele se pendurava no galho, e o animal passou direto por ele. Subiu mais uns três galhos, afastando-se o máximo possível do chão. Ficou impressionado com a força e agilidade do animal. O Velociraptor ficou embaixo da árvore olhando para cima e andando de um lado para o outro, como um cão que encurrala um gato em cima de uma árvore. Logo em seguida, o animal começou a emitir uma espécie de chamado, curto, parecido com o pio de uma ave. De ver em quando o Velociraptor saltava, na tentativa de alcançar Mike no alto da árvore. Não demorou muito e mais quatro raptores juntaram-se ao pé da árvore, vindos do meio da mata. Começaram a saltar em direção a Mike, um após o outro, mas sem sucesso de atingi-lo. Mike permanecia imóvel, totalmente petrificado pelo medo, agarrado ao galho da árvore. Então de repente, todos pararam de atacar e começaram a inclinar a cabeça para os lados, virando-se para uma determinada direção da mata, como se escutassem algo. Mike prestou atenção e começou a ouvir uma voz chamando. A principio não conseguiu entender, mas logo identificou de quem era a voz. Era Iam Malcom, que chamava por Nick Van Owen, o fotografo da expedição. Foi então que Mike, olhando na direção da voz, viu que estava a algumas centenas de metros da instalação que vira no mapa naquela tarde, e era onde estava Malcom, junto da Dra Harding e de sua filha Kelly.

No mesmo instante os dinossauros, a um rosnado de um dos raptores, saíram em disparada na direção das instalações. Assim que eles saíram, Mike, sem hesitar, pulou da árvore e saiu correndo também na mesma direção, ele tinha que avisa-los do perigo que corriam, mas quando já estava chegando próximo ao local, recebeu um golpe violento nas costas, caindo de cara no chão, e sentindo uma dor horrível. Olhando por cima do ombro, viu um Velociraptor em cima dele, a enorme garra enterrada em suas costas. Mike tentou fugir, se arrastando, mas o dinossauro cravou mais fundo a garra, Mike abriu a boca para gritar, mais estava se ar nos pulmões por causa da dor. E no mesmo instante o dinossauro agarrou seu pescoço com as mandíbulas poderosas, arrancando um enorme pedaço de carne. O sangue pingava da boca do dinossauro, e outros dois raptores apareceram, iniciando uma briga pelas melhores partes da presa que jazia sem vida no solo.

Leia mais: http://ikessauro.blogspot.com/2010/03/louca-escapada.html#ixzz0iaRwDzWV

sábado, 13 de março de 2010

Aviso do Blog!!

Olá, vocês sabem que a pouco tempo eu criei uma enquete perguntando se vocês gostaram do blog, e a alternativa "NÂO" esta quase empatando com o Sim..
 Por favor,   peço para que eu possa ajudar a melhorar o blog do jeitinho que vocês gostam, me comunique pelo orkut e msn!
Grato.
 Emails abaixo:
Msn:
lucaslcp2009@hotmail.com
Orkut: tiranossauro.lcp@yahoo.com.br
 Agradeço a quem ajudar me comunicando,pois  mesmo so comunicando-se comigo,você está ajudando o blog,salvando-o.

Gifs


Tiranossauro rex



Pteranodon



T.rex²



Styracossauro



Velociraptor



Brachiossauro

sexta-feira, 12 de março de 2010

Liliensternus

    O Liliensternus , cujo o nome significa " lagarto de Hugo Von Rüle Lilienstern " viveu na França e na Alemanha durante o período Triássico há aproximadamente 210 milhões de anos atrás, este animal chegava a medir 7 metros de comprimento e 4 metros de altura pesando aproximadamente 400 quilos.O Liliensternus tinha as patas traseiras compridas e o crânio pontiagudo repleto de dentes afiados; tinha garras desenvolvidas para fechar quando eram flexionadas, agarrando a presa. Era um dinossauro bípede, projetado para correr. Deveria ter um faro muito bom; os olhos também eram grandes, o que possibilitava uma vista lateral ampla e poderiam localizar facilmente suas presas. Graças a sua cauda poderia se mover ereto e manter o equilíbrio.


Dados do Dinossauro:
Nome: Liliensternus
Nome Científico: Liliensternus liliensterni 

Época: Triássico
Local onde viveu: Europa
Peso: Cerca de 400 quilos
Tamanho: 7 metros de comprimento e 4 metros de altura
Alimentação: 
Carnívora


Fonte:Google

Os Ceratopsideos!

Os Ceratopsídeos
 
     
Veja na tabela abaixo os animais catalogados desse grupo:
Anchicerátops
Avacerátops
Centrossauro
Chasmossauro
Einiossauro
Estiracossauro
Paquirinossauro
Pentaceratops
Torossauro
Tricerátops
Zuniceratops

Os sauropodes!

Os Saurópodes
    Os Saurópodes foram um dos dois grandes grupos de dinossauros saurísquios  ou dinossauros com bacia de réptil. Os seus corpos eram enormes, com um pescoço muito comprido que terminava em um cabeça muito pequena. A cauda, também muito comprida, junto com uma grande unha que a maioria dos saurópodes possuíam na pata dianteira eram suas únicas armas de defesa além de seu tamanho. Eram quadrúpedes, com patas altas, retas como colunas, terminadas em pés dotados de dedos curtos e bastante parecidas com as dos elefantes. A sua dieta alimentar era vegetariana. Muitos deles não dispunham de mandíbulas e dentes apropriados para mastigar, de modo que engoliam grandes quantidades de matéria vegetal que, em seguida, eram " trituradas " no estômago por pedras ingeridas para facilitar a fermentação e a digestão do alimento.

Veja na tabela abaixo os animais catalogados desse grupo:
Aeolossauro
Alamossauro
Amargassauro
Amazonssauro
Amphicoelias
Antarctossauro
Apatossauro
Argentinossauro
Barossauro
Braquiossauro
Bruhathkayossauro
Camarassauro
Dicraeossauro
Diplodoco
Girafatitan
Gondwanatitan
Jobaria
Mamenchissauro
Mussaurus
Opisthocoelicaudia
Paralititan
Pelorossauro
Puertassauro
Saltassauro
Sauroposeidon
Seismossauro
Shunossauro
Titanossauro
Ultrassauro

Os Teropodes!

Os teropodes foram os mais aterrorizantes dinossauros que ja existiram,imaginam, eles foram uma verdadeira maquina de matar,foram os primeiros assasinos de grande escala do planeta!!!
      Pensem, para nós podermos caçar como eles, no precisamos de  um rabo para manter o equilibrio na corrida, ser rapido como um Strutiomimus,ter braços longos e fortes dotados de garras somando com as pernas tambem; dentes semelhantes a faca,ter estrategia,cranio  INdelicado, ter a capacidade de bolar um estrategia, e de um parceiro como os Raptors ou não, como os Tiranossauros.
   Aqui está a seguinte lista dos teropodes,faltam poucos aqui , mas se vocês quiserem que eu poste sobre os dinos que faltam, digitem no comentario ou faça contato comigo no msn:
 lucaslcp2009@hotmail.com   
Abelissauro
Acrocantossauro
Afrovenator
Albertossauro
Alioramo
Alectrossauro
Alossauro
Alxassauro
Angaturama
Archaeopteryx
Aucassauro
Bahariassauro
Bambiraptor
Barionix
Becklespinax
Carcharodontossauro
Carnotauro
Ceratossauro
Coelophisis
Coelurus
Compsognato
Conchoraptor
Cryolophossauro
Daspletossauro
Deinonychus
Deltadromeus
Dilofossauro
Dromeossauro
Dromiceiomimo
Eoraptor
Espinossauro
Estauricossauro
Estrutiomimo
Eustreptospondylus
Galimimo
Giganotossauro
Gigantoraptor
Gorgossauro
Herrerassauro
Indosuchus
Irritator
Liliensternus
Majungatolo
Megalossauro
Megaraptor
Microraptor
Monolofossauro
Noassauro
Ornitolestes
Ornitomimo
Oviraptor
Piatnitzkyssauros
Proceratossauro
Saltopus
Saurornithoides
Saurornitholestes
Sinraptor
Suchomimo
Tarbossauro
Tiranossauro
Trodonte
Utahraptor
Velociraptor mongoliensis
Yangchuanossauro